"CONTESTAR AS OPINIÕES ERRÔNEAS QUE CONTRA NÓS ESPÍRITAS SÃO APRESENTADAS; REBATER AS CALÚNIAS; APONTAR AS MENTIRAS; DESMASCARAR A HIPOCRISIA; TAL DEVE SER O AFÃ DE TODO ESPÍRITA SINCERO, CÔNSCIO DOS DEVERES QUE LHES SÃO CONFIADOS”.
comentar
publicado por evangelicosfalsosprofetas, em 29.04.10 às 18:56link do post | favorito

Parábola da videira e das varas

V. 1. Eu sou a verdadeira videira e meu pai é o vinhateiro. — 2. Ele cortará todas as varas que não derem fruto em mim e mondará todas as que dão fruto, para que dêem mais. — 3. Já estais limpos em virtude da palavra que vos anunciei. — 4. Permanecei em mim e eu permanecerei em vós. Assim como a vara não pode dar fruto de si mesma, se não permanecer ligada à videira, o mesmo vos sucederá, se não permanecerdes em mim. — 5. Eu sou a videira e vós as varas. Aquele que permanece em mim e em quem eu permaneço dá muito fruto. Porque, sem mim nada podeis fazer. — 6. Aquele que não permanecer em mim será lançado fora como a vara inútil, secará e o enfeixarão e meterão no fogo para ser queimado. — 7. Se permanecerdes em mim e as minhas palavras em vós permanecerem, tudo o que quiserdes pedireis e vos será concedido. — 8. A glória de meu pai está em que deis muito fruto e vos torneis meus discípulos. — 9. Como meu pai me amou, eu vos amei. Permanecei no meu amor. — 10. Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como eu, que guardei os mandamentos de meu pai, permaneço no seu amor. — 11. Tenho-vos dito estas coisas para que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja plena e perfeita.

 

Usando dessa linguagem figurada, apropriada às inteligências dos homens da época, pela letra, e destinada a ser explicada e compreendida segundo o espírito, Jesus proclama a superior ação dirigente do Criador sobre a vossa humanidade, por seu intermédio, como Espírito fundador, protetor e governador do vosso desenvolvimento e progresso. Explica os modos e meios de realização desse desenvolvimento e desse progresso, as únicas condições mediante as quais podem um e outro ser  obtidos e a expiação de que se tornam passíveis os que se afastam do caminho que ele traçou. Mostra a seus discípulos o laço de amor que a ele os une, o meio de cumprirem fielmente a missão de que estavam incumbidos, meio que consiste na observância dos mandamentos que lhes deu.

 

(V. 1.) Estas palavras: "Eu sou a verdadeira videira e meu pai é o vinhateiro" encerram mais um testemunho da sua natureza inferior com relação ao pai.

 

(V. 2.) "O pai corta todas as varas que não dão fruto em Jesus e monda todas as que dão fruto, para que dêem mais." Quer isto dizer: aqueles que, violando o duplo mandamento de Deus, que Jesus declarou conter toda a lei e os profetas e cuja observância implica a do Decálogo e a obrigação, para cada um, de proceder com os outros como quereria que os outros com ele procedessem, se desviam das sendas traçadas pelo Mestre e se comprazem no mal, são deixados neste, por virtude da inviolabilidade do livre-arbítrio, mas com a responsabilidade que decorre da posse e do uso desse dom. Submetidos seus maus atos ao fogo da expiação, nada mais produzem senão cinzas, como a vara inútil queimada. Os que de tal maneira se conduzem são relegados em "condições inferiores". O Senhor olha benevolamente para os que tomam as sendas que o Mestre traçou, para aqueles cujas obras são boas. Dá-lhes a faculdade de mais ainda se melhorarem, por meio de provas e missões, a fim de que produzam frutos cada vez mais abundantes.

 

(V. 3.) Os discípulos já estavam limpos por efeito da palavra que Jesus lhes anunciara. Estavam preparados para cumprir fielmente a missão que traziam. Já o dissemos: os discípulos, ainda que em graus diversos de adiantamento, eram Espíritos adiantados, cujas inteligências e faculdades se achavam entorpecidas pelo invólucro material. As prédicas de Jesus lhes auxiliaram o desenvolvimento das faculdades. O desejo ardente de obedecerem ao Mestre, o amor sem limites que lhe consagravam os impeliam a avançar cada vez mais pela senda do progresso. A inspiração dos Espíritos do Senhor, que os viriam assistir e guiar, ajudá-los-ia e sustentaria na tarefa que tinham de executar.

 

(V. 4.) "Permanecei em mim e eu permanecerei em vós. Assim como a vara não pode dar fruto de si mesma, se não permanecer ligada à videira, o mesmo vos sucederá, se não permanecerdes em mim." Estas palavras figuradas, dirigidas aos apóstolos, se referem a todos os tempos e se aplicam, segundo o pensamento do Mestre, a todos os homens. Nenhum pode dar bons frutos, fazer boas obras, desde que se separa da videira, que Jesus personifica e que é o amor e a verdade.

 

(Vv. 5-6.) Jesus é a cepa da videira e todos os homens, como o eram os discípulos, são as varas. Ele a todos protege e governa e é o único encarregado do desenvolvimento e do progresso de todos. O que permanece nele e em quem ele permanece produz muitos frutos. Quer dizer: aquele que segue, com perseverança e sem se desviar, a moral que ele pregou, esse progride e se depura, avança com rapidez, moral e intelectualmente, e, ajudado pela inspiração divina, que ele lhe transmite hierarquicamente por intermédio dos Espíritos superiores e dos bons Espíritos, produz muitos frutos em suas provas ou missões.

"Aquele que não permanecer em Jesus, será lançado fora como vara inútil, secará e o enfeixarão e meterão no fogo para ser queimado": Aquele, que não segue a moral que Jesus pregou e deixa de praticá-la, se engolfa no mal e, falindo em provas, ficará estacionário, como todo Espírito culpado. Quando soar a hora, a expiação o atingirá. Queimá-lo-á o fogo do remorso, que lhe fará nascer no íntimo o desejo de reparar e progredir, com o auxílio de novas provas, nas condições inferiores em que tiver caído.

 

(Vv. 7-8-9-10-11.) As palavras, que destes versículos constam, também dirigidas por Jesus a seus discípulos, as exortações e promessas que contêm se aplicam igualmente a todos os que, de futuro, viriam a tornar-se seus discípulos, caminhando na senda, que ele traçou, do amor e da verdade. E essas palavras não precisam de comentários. Elas se resumem assim: força e poder da fé, progresso incessante pela prática contínua da lei de amor, alegria por efeito da paz do coração, da pureza e serenidade da consciência, satisfação do dever cumprido, progresso pessoal e coletivo, obtido com o auxílio das provas e das missões.

Está compreendido que os que permanecem em Jesus, isto é, que permanecem na estrada que ele abriu, não podem pedir senão o que é justo e bom e para lhe ser concedido no tempo e nas condições que só Deus estabelece e determina. Do mesmo modo, compreendido está que Jesus não diz aqui, como jamais o disse, em que momento o pedido será satisfeito.


comentar
publicado por evangelicosfalsosprofetas, em 29.04.10 às 04:46link do post | favorito

 

Homens, olhem para vosso mundo. O que estão fazendo deste planeta senão um celeiro de iniquidades onde a maldade, a dor e o sofrimento campeiam por todos os lados? Não percebeis que estais apenas erguendo muralhas ao teu derredor, onde vossos espíritos se agitarão em agonia no futuro?

Onde o amor a Deus?! Na moeda e nas riquezas que a exploração de seu nome pode proporcionar? Pobres criaturas que perambulam pelas avenidas da vida sem rumo certo, envolvidos pelas sombras da insensatez.

Vossas mentes se transtornaram pela luxúria, pelo prazer desvairado e alucinado, pelas facilidades e imediatismos que homens mundanos e espíritos inferiores nutriram em vossas almas.

A cada um segundo suas obras e eis que a miséria, a fome, o crime, vos assaltam os lares, construídos tantas vezes sob alicerces frágeis de ilusões e fantasias.

Julgais então que o que vês é tudo? Oh não, a colheita está apenas começando. Todo o mal que plantaste durante décadas está agora sendo colhido por vós mesmos. São os frutos apodrecidos da má semeadura.

Vossa juventude se perdeu, escravizou-se junto ás drogas, vossas crianças crescem desorientadas, carentes de exemplos edificantes. Vossos idosos jazem nas cátedras do esquecimento acreditando-se realmente inúteis para a sociedade devido aos vossos pensamentos hipnotizantes, mesquinhos e egoístas.

Até quando a venda cobrirá vossos olhos? Acreditais então que permanecendo com ela Deus vos julgará inocente e vos isentará das consequências de Ter permanecido tanto tempo na escuridão quando a luz do Evangelho te alcançava as vistas e convidava-te a viver sob as claridades do Teu amor? Não podeis mais fingir-vos crianças inocentes e ingênuas. Sereis inevitavelmente descobertos e desmascarados, acreditem nisso.

Ninguém está isento de sofrer pela própria rebeldia. Somente os mais incautos depositam confiança neste tipo de pensamento e mesmo para esses chegará o momento propício do despertar, através das sacudidas da dor. Invigilância é sinônimo de possíveis perdas e sofrimentos. Atentem mais do que nunca para a advertência do Cristo que lhes solicitou orar e vigiar para que não venham a sucumbir no minuto seguinte.

As vozes dos seres que atravessaram os portais da morte vêm falar-vos aos corações e preveni-los.

Os campos estão repletos de ervas daninhas e a foice da justiça divina já está preparada para lança-las ao fogo.

Que vejam os que tiveram olhos de ver e ouçam os que tiverem ouvidos de ouvir.

Espírito Luís. 1864

 

 

tags:

comentar
publicado por evangelicosfalsosprofetas, em 29.04.10 às 03:55link do post | favorito

 

Várias vezes já nos perguntaram por que não respondemos, em nosso jornal, aos ataques de certas folhas, dirigidos contra o Espiritismo em geral, contra seus partidários e, por vezes, contra nós. Acreditamos que o silêncio, em certos casos, é a melhor resposta. Aliás, há um gênero de polêmica do qual tomamos por norma nos abstermos: é aquela que pode degenerar em personalismo; não somente ela nos repugna, como nos tomaria um tempo que podemos empregar mais utilmente, o que seria muito pouco interessante para os nossos leitores, que assinam a revista para se instruírem, e não para ouvirem diatribes mais ou menos espirituosas.

Ora, uma vez engajado nesse caminho, difícil seria dele sair, razão por que preferimos nele não entrar, com o que o Espiritismo só tem a ganhar em dignidade. Até agora só temos que aplaudir a nossa moderação, da qual não nos desviaremos, e jamais daremos satisfação aos amantes do escândalo.

Entretanto, há polêmica e polêmica; uma há, diante da qual jamais recuaremos: é a discussão séria dos princípios que professamos. Todavia, mesmo aqui há uma importante distinção a fazer; se se trata apenas de ataques gerais, dirigidos contra a Doutrina,sem um fim determinado, além do de criticar, e se partem de pessoas que rejeitam de antemão tudo quanto não compreendem, não merecem maior atenção; o terreno ganho diariamente pelo Espiritismo é uma resposta suficientemente peremptória e que lhes deve provar que seus sarcasmos não têm produzido grande efeito; também notamos que os gracejos intermináveis de que até pouco tempo eram vítimas os partidários da doutrina pouco a pouco se extinguem. Perguntamos se há motivos para rir quando vemos as idéias novas adotadas por tantas pessoas eminentes; alguns não riem senão com desprezo e pela força do hábito, enquanto muitos outros absolutamente não riem mais e esperam.

Notemos ainda que, entre os críticos, há muitas pessoas que falam sem conhecimento de causa, sem se darem ao trabalho de a aprofundar. Para lhes responder seria necessário recomeçar incessantemente as mais elementares explicações e repetir aquilo que já escrevemos, providência que julgamos inútil. Já o mesmo não acontece com os que estudaram e nem tudo compreenderam, com os que querem seriamente esclarecer-se e com os que levantam objeções de boa-fé e com conhecimento de causa; nesse terreno aceitamos a controvérsia, sem nos gabarmos de resolver todas as dificuldades, o que seria muita presunção de nossa parte. A ciência espírita dá os seus primeiros passos e ainda não nos revelou todos os seus segredos, por maiores sejam as maravilhas que nos tenha desvendado. Qual a ciência que não tem ainda fatos misteriosos e inexplicados? Confessamos, pois, sem nos envergonharmos, nossa insuficiência sobre todos os pontos que ainda não nos é possível explicar. Assim, longe de repelir as objeções e os questionamentos, nós os solicitamos, contanto que não sejam ociosos, nem nos façam perder o tempo com futilidade, pois que representam um meio de nos esclarecermos.

É a isso que chamamos polêmica útil, e o será sempre quando ocorrer entre pessoas sérias que se respeitam bastante para não se afastarem das conveniências. Podemos pensar de modo diverso sem, por isso, deixar de nos estimarmos. Afinal de contas, o que buscamos todos nessa tão palpitante e fecunda questão do Espiritismo? O nosso esclarecimento. Antes de mais, buscamos a luz, venha de onde vier; e, se externamos a nossa maneira de ver, trata-se apenas da nossa maneira de ver, e não de uma opinião pessoal que pretendamos impor aos outros; entregamo-la à discussão, estando prontos para a ela renunciar se demonstrarem que laboramos em erro. Essa polêmica nós a sustentamos todos os dias em nossa Revista, através das respostas ou das refutações coletivas que tivemos ocasião de apresentar, a propósito desse ou daquele artigo, e aqueles que nos honram com as suas cartas encontrarão sempre a resposta ao que nos perguntam, quando não a podemos dar individualmente por escrito, uma vez que nosso tempo material nem sempre o permite. Suas perguntas e objeções igualmente são objeto de estudos, de que nos servimos pessoalmente, sentindo-nos felizes por fazer com que nossos leitores os aproveitem, tratando-os à medida que as circunstâncias apresentam os fatos que possam ter relação com eles. Também sentimos prazer em dar explicações verbais às pessoas que nos honram com a sua visita e nas conferências assinaladas por recíproca benevolência, nas quais nos esclarecemos mutuamente.

REVISTA ESPÍRITA Novembro de 1858, pags. 443 a 445

tags:

mais sobre mim
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
16

18

25
26
28


pesquisar
 
blogs SAPO
subscrever feeds